quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Parabéns a você: Felipão, Del Piero...

9 de novembro de 1989: queda do Muro de Berlim. Marcante, sem dúvidas...

9 de novembro de outros anos: boleirada nascendo! E os escolhidos de hoje são eles:


Felipão e sua já consagrada expressão ranzinza
Fonte: guardian.co.uk
Luiz Felipe Scolari: também conhecido como Felipão, é um técnico e ex-zagueiro brasileiro. Completa hoje 63 anos.

Foi um zagueiro que “jogava duro”, com passagens por Caxias, Novo Hamburgo, Juventude e CSA nos anos 70 e início da década de 80. No mesmo CSA começou a sua carreira de técnico de sucesso - mais precisamente em 1982.

Daí por diante, a lista de clubes treinados (além de três seleções) é extensa, assim como a lista de títulos. As passagens mais marcantes foram pelo Grêmio (por duas vezes, com destaque para os títulos da Copa do Brasil de 1994, Libertadores da América de 1995 e do Brasileirão de 1996), Palmeiras (campeão da Copa do Brasil e da Copa Mercosul de 1998, da Libertadores de 1999 e do Torneio Rio-São Paulo de 2000), Cruzeiro (campeão da Copa Sul-Minas de 2002), Chelsea, da Inglaterra (passagem conturbada, sem títulos) e Bunyodkor, do Usbequistão (onde teve o chance de ser novamente treinador de Rivaldo, com quem conquistou a Copa do Mundo de 2002). Voltou ao Palmeiras em 2010, e vem comendo “o pão que o diabo amassou” por lá, devido às inúmeras crises pelas quais o alviverde vem passando.

Quanto às seleções treinadas, teve sua primeira experiência no Kuwait (em 1990). Assumiu a Seleção Brasileira em 2001, num conturbado período – em menos de três anos, dois técnicos (Vanderlei Luxemburgo e Émerson Leão) haviam sido demitidos, e o time vinha mal das pernas nas Eliminatórias para a Copa. Após um início nada animador – o Brasil foi eliminado da Copa América por Honduras – conseguiu reorganizar a equipe e conquistou a Copa do Mundo de 2002 (para surpresa de muitos e para desgosto daqueles que exigiam que Romário fosse incluído na lista de convocados), com uma brilhante campanha em terras nipônicas e coreanas – sete vitórias em sete jogos, e tendo em Ronaldo, sua maior aposta na competição, o melhor jogador e artilheiro, com oito gols.

Após comandar o Brasil foi treinar a seleção de Portugal, onde também obteve sucesso: deu à equipe lusitana um esquema de jogo – algo que faltava antes, apesar de contar com muitos jogadores técnicos – e a possibilidade de sonhar com vôos mais altos, levando seus selecionados ao vice-campeonato europeu de 2004 (com sabor amargo, pois perderam o título em casa para a fraca Grécia) e obteve o quarto lugar na Copa de 2006 – fazia quarenta anos que os portugueses não alcançavam as semi-finais de uma Copa do Mundo.

Tem lá o seu estilo polêmico, “cabeça-dura” (dá preferência a jogadores de sua confiança ao invés de outros mais qualificados), gosta de encher o time de volantes e zagueiros... Mas é um vencedor incontestável.


Del Piero, um caso de sucesso na Vecchia Signora
Fonte: bestfun2010.blogspot.com
Alessandro Del Piero: meia-atacante italiano, completa 37 anos.

Começou a carreira no Padova, em 1991, e foi para a Juventus em 1993. Com a Vecchia Signora conquistou praticamente tudo: uma Champions League, uma Taça Intercontinental, uma Supercopa da UEFA, cinco Scudettos, uma Serie B, uma Copa da Itália, entre outros. Detém também dois dos mais valiosos recordes individuais do clube: é o maior artilheiro da história da Juventus (281 gols em mais de 500 jogos) e o jogador que mais vezes foi capitão (está no posto há dez anos).

Jogador de muita técnica, criatividade e habilidade, Del Piero não é apenas um mero meia-atacante. Joga numa posição que na Itália é chamada de trequartista – alterna entre o meio-campo e o ataque, quase que numa “ação livre” nesse setor do campo. Destaca-se também pelos bons chutes de fora da área e por ser um especialista em bolas paradas – por muitas vezes salvou a Juventus de sofrer derrotas com suas cobranças de falta precisas.

Na Seleção Italiana, estreou em 1995 e desde então atuou em 91 partidas (anotou 21 gols). É o quarto maior artilheiro da Azurra – empatado com Roberto Baggio – e conquistou a Copa do Mundo de 2006, na Alemanha (na decisão por pênaltis da finalíssima, contra a França, acertou sua cobrança). Participou também das Copas de 1998 e 2002 e das Euros de 1996 a 2008.


Andreas Brehme: ex-defensor alemão, faz hoje 51 anos.

Com passagens destacadas por clubes como Kaiserslautern, Bayern de Munique (ambos da Alemanha) e Internazionale da Itália, ficou marcado como o jogador que garantiu, numa cobrança de pênalti (até hoje contestado pelos argentinos), o terceiro título mundial da Alemanha, na Copa de 1990, disputada na Itália (venceram a Argentina na final por 1 a 0).

Brehme acerta o pênalti, e garante a alegria dos
alemães - e a choradeira dos argentinos (que dó, né gente?)
Fonte: spox.com


Era uma das estrelas daquele que foi considerado o time mais técnico já formado pelos germânicos, que contava também com Matthäus, Klinsmann, Völler, Littbarski, Hassler, Möller e no comando o lendário Franz Beckenbauer.

Um especialista em bolas paradas, conseguia chutar tanto com o pé esquerdo quanto com o pé direito com a mesma maestria. Por esta razão, marcou gols importantes em todas as equipes que atuou, mesmo jogando na defesa.

Além da já citada participação na Copa de 1990, participou também das edições de 1986 e 1994, além das Eurocopas de 1984, 1988 e 1992.


Ah!!! O lobisomem jogou na Argentina???
Não, esse é Sergio Batista durante a Copa de 1986
Fonte: sporting-heroes.net
Sergio Batista: ex-volante e atual técnico argentino, completa 49 anos.

Marcado durante a carreira de jogador por ser voluntarioso e por conservar uma longa barba, começou a carreira no início da década de 80 no Argentinos Juniors, e participou da principal conquista do clube: a Taça Libertadores da América de 1985. Chegou a jogar também no River Plate, no Tosu Futures (do Japão) e no All Boys da Argentina, encerrando a carreira em 1999, aos 37 anos.

Foi integrante do elenco que venceu a Copa de 1986, disputada no México - num time que tinha como principal estrela Diego Armando Maradona. Disputou também a Copa de 1990, quando os argentinos foram vice-campeões.

Como técnico, iniciou comandando o Bella Vista, do Uruguai. Passou ainda por seu clube de origem Argentinos Juniors, pelo Talleres e pelo Godoy Cruz, antes de ser nomeado técnico das seleções de base da Argentina em 2007.

Fez bom trabalho comandando os jovens argentinos, conquistando a medalha de ouro nas Olimpíadas de Pequim de 2008 – a Argentina, depois de eliminar o Brasil, derrotou na final a Nigéria por 1 a 0.

Assumiu o controle da seleção principal da Argentina em 2010, substituindo – de novo ele – Diego Maradona. Não teve tanto sucesso como obtivera nas seleções de base, e foi demitido do cargo após pífia campanha na Copa América – os argentinos foram eliminados pelo Uruguai nos pênaltis, nas quartas-de-final.

Um comentário:

  1. Só feras nasceram nesse dia hein?! Eu nasci no dia 09 de novembro de 1989, como você disse "Marcante, sem dúvidas..." hehehe.

    Parabens pelo blog, está ficando muito legal ;D

    ResponderExcluir

Loading...